PC prende professora de penitenciária tentando entrar com droga e celulares no complexo

0
64

Na manhã desta quarta-feira (19-12), na cidade de Carmo do Paranaíba, a professora da Penitenciaria Nossa Senhora do Carmo, Natália Aparecida Almeida de 21 anos, foi flagrada tentando entrar com droga e celulares no complexo. Os materiais estavam escondidos no capacete. Também foram presas duas outras mulheres, sendo Gessica Gonçalves da Silva e Sabrina Kudaka, integrantes da organização criminosa, que também concorriam para a entrada de aparelhos celulares na unidade prisional.

A operação “Sem Maldade” foi feita pela Polícia Civil juntamente com os servidores do SEAP da penitenciaria. A Professora que leciona na escola que funciona no interior do complexo estava sendo alvo de investigação há dias. A denuncia é que ela estava entrando com drogas e celulares na unidade e repassando para os detentos.

Nesta quarta-feira, os investigadores receberam a informação que ela iria entrar no complexo com alguns materiais ilícitos. Durante o monitoramento, os investigadores abordaram a professora na recepção da unidade. Com a professora foram apreendidos dois tabletes de maconha (294 gramas), pedras de crack, treze telefones celulares, chips, baterias e carregadores.

A Professora se utilizava do acesso facilitado em função de seu cargo para entrar com o material de várias formas, como, por exemplo, escondido em seu capacete, sendo investigada há alguns meses. Os aparelhos celulares eram vendidos no interior da unidade prisional por valores variados, chegando até R$ 5.000,00. A quantidade de dinheiro apreendida foi cerca de 2.400 reais, que estavam com a autora.

As mulheres foram autuadas por diversos crimes, a saber, tráfico de drogas, ingresso de telefone em estabelecimento prisional e organização criminosa.

Essa investigação é uma nova fase da OPERAÇÃO SEM MALDADE, que no início de 2017 levou à prisão 19 pessoas por esses mesmos crimes. As apurações continuam a fim de identificar outras pessoas que concorreram para as infrações descritas.

A Policia Civil solicita que que os cidadãos que saibam de fatos parecidos denunciem ao 181 ou 34 3851 2070 (Depol Carmo do Paranaíba).

 

Texto: Toninho Cury e Julio Cesar